Ukra

Quando cheguei à Arábia, antes de arranjar casa meteram-me num hotel Lilly. Na primeira noite tudo bem, no segundo dia também tudo bem. Os nossos treinos eram tarde, às 20h30 ou 21h. O treinador era o Sá Pinto, fui para lá através dele. Saía do quarto, acho que foi no meu terceiro dia lá, deixava o ar condicionado ligado para estar sempre fresco, mas nesse dia entro no quarto e estava um calor desgraçado. Parecia uma sauna. O ar condicionado estava a funcionar mas saía ar quente. Fui à recepção e pedi para mudar de quarto porque o ar condicionado estava avariado. Disseram-me que não me podia mudar porque o hotel estava cheio e não tinham quarto para mim. Passei tão mal essa noite… Saí da cama e primeiro deitei-me no chão para ver se encontrava um fresquinho para dormir. Não conseguia e o desespero com o calor era tanto que dormi sentado, encostado à parede e com o frigorífico aberto para sentir um bocadinho de frio. No outro dia ainda tive de dormir sem ar condicionado e só troquei de quarto no dia seguinte.
E apanhei 56ºC na Arábia, não dá para andar na rua! Parava o carro num lado da estrada, esperava que não houvesse carros a passar para correr para um restaurante com ar condicionado porque é mesmo muito, muito calor. A sério, é impressionante. Apanhei 44 ou 45ºC às 11 da noite! É incrível, é mesmo muito calor.
No primeiro jogo do campeonato fomos jogar a Riade, que era para aí a três horas e meia de autocarro. Lá para encontrares uma cidade tens de andar mesmo muito, porque é tudo deserto. Estávamos na auto-estrada e o autocarro começa a fazer barulhos estranhos e a abrandar: avariou! Estavam para aí 50ºC, um calor… Parámos hora e meia na auto-estrada, já sem água, já passava o gelo que os massagistas levavam pelo corpo, estava mesmo a passar mal. As bombas mais próximas ainda eram muio longe, então cheguei ao cúmulo de estar de boxers no autocarro, já não aguentava o calor. Dentro do autocarro estava muito calor, com aquilo fechado e o sol a bater. Ias para fora do autocarro e estavam uns 50ºC mais o vento que trazia areia do deserto. Um desespero incrível! Depois perguntei o que se tinha passado e disseram-me que o motorista se tinha esquecido de meter gasolina… Só na Arábia!
Também fui a dois casamentos. Os homens ficam de um lado e as mulheres noutro lado qualquer, que tanto pode ser a cinco minutos como a meia-hora de carro! O que interessa é ficarem em sítios diferentes, os homens só com os homens e as mulheres só com as mulheres. Fizemos a dança tradicional, com a espada, até pus um vídeo no Instagram. O noivo era tipo o director de comunicação do nosso clube e também trabalhava para a federação saudita. Já tinha à vontade com ele e disse-lhe assim:
– Tens uma sorte de não poder haver álcool na Arábia Saudita…
Ele começou-se a rir.
– Mas porquê, Ukra?
– Se houvesse álcool já tinha matado três ou quatro com a espada!
Houve lá várias situações em que me diziam que se fizesse aquelas brincadeiras logo nos primeiros dias levava um soco na cara!
Lá no balneário cada um tem o seu chuveiro. Não andam nus como aqui, em que tomamos banho todos juntos. Eu saía do chuveiro com um fio dental, nem imaginas como era aquilo… Uns riam-se muito, outros diziam:
– Ukra, no good, no good.
E eu:
– No good? No good o caralho! Tenho melhor cu que muitas árabes aqui. Olha e cala-te mas é!
Tinha brincadeiras lá que nunca ninguém tinha tido com eles. Mesmo eles depois já vinham puxar por mim. Diziam-me muitas vezes:
– Ukra, nunca vi um maluco como tu.
Quando chegas ao balneário tens uma folha com uns dez penteados que não podes usar por causa da religião deles. Acho que foi há dois anos, um guarda-redes teve de cortar o cabelo em campo! E tínhamos jogadores que usavam penteados que são proibidos, assim mais curtos de lado e depois maiores em cima. Antes de cada jogo, ia sempre o delegado e o quarto árbitro ao balneário ver se estava tudo direito, viam as camisolas, viam as unhas… Alguns são tão desleixados que eles até as unhas viam. Havia lá jogadores que tinham as unhas maiores que as da minha mulher! E o que é que os que tinham esses cortes faziam? Éramos nós e os massagistas a pintar-lhes a cabeça com graxa dos sapatos antes de vir o delegado para não se notar o penteado. Depois de feita a vistoria iam lavar a cabeça e iam para o jogo.
Além destas regras, têm as rezas. Logo nos meus primeiros tempos lá, fui ao supermercado e eles têm cinco rezas por dia. Fui com o Nathan Júnior, que esteve no Tondela. Nós nas primeiras compras para casa, íamos sair do hotel e ter uma casa, éramos vizinhos, quando estamos a ir para a caixa começam os cânticos a anunciar a hora da reza. Pá, fechou tudo! Fecharam as caixas, as pessoas deixaram os carrinhos das compras lá e foram para a sala da reza. Ficámos meia-hora à espera.
Também tive outra. Tínhamos um tradutor. E fomos conhecer umas montanhas lá perto da nossa cidade com a Neuza, a minha mulher, o Nathan e a mulher dele e a mulher do tradutor. Também fomos ver uma fortaleza construída pelos portugueses. E havia lá praias por perto mas para lá chegarmos tínhamos de parar o carro e andar um bocado até chegar ao mar. Entretanto vimos marcas de pneus na areia e seguimo-las até onde podíamos ir. Tudo bem. Ao vir embora fiquei com um pneu enterrado. Eram 17h e tal, já a escurecer, nós longe da estrada, sem ajuda, a tentar pôr uns paus para ver se a roda saía, mas o carro não andava. Quem é que veio? A polícia, a que controla a fronteira, e eles têm autorização para disparar se sentirem algum perigo. Nem imaginas a aflição… Pediram-nos os passaportes, perguntaram-nos quem éramos, passámos mal. Olhei para dentro da carrinha e vi lá metralhadoras… Éramos seis numa zona onde não costuma haver ninguém, viram que éramos estrangeiros, olharam-nos de lado. Mas depois dissemos-lhes que éramos jogadores e ajudaram-nos a sair. Puxaram-nos com um jipe e ainda ficámos na conversa. Ficaram estas histórias porreiras, mas houve muitas mais.


Após a formação no FC Porto, representou Varzim, Olhanense, Sp. Braga e a equipa principal do Dragão antes de passar quatro anos no Rio Ave. Na última época esteve no Al Fateh.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

2 comentários sobre “Ukra

  1. – Ukra, no good, no good.
    E eu:
    – No good? No good o caralho! Tenho melhor cu que muitas árabes aqui. Olha e cala-te mas é!

    DO MELHOR QUE JÁ VI AQUI!:)))

  2. Este meu primo é um pagode! Pena não puder usar a criatividade pelas arábias, ou ainda fica sem os pezinhos, hi hi hi…

Deixe um comentário