Pedro Barny

Uma das que me recordo que fazíamos sempre, no Boavista normalmente até era o Nelo que fazia, era esconder-se dentro do quarto de alguém, debaixo da cama ou no armário, com o comando da televisão, com outro que não aquele que estava disponibilizado no quarto, e esperar que os colegas chegassem para depois ir alterando os canais e o volume da televisão. Isso deu situações muito engraçadas porque estavam deitados na cama, na altura não havia telemóveis nem Internet, então o passatempo era a televisão. Deitavam-se, ficavam ali a olhar para a televisão, a ver um filme ou assim, e de repente mudava de canal. Uma vez um disse para o outro: “Não sou eu que estou a mexer no comando. Vou metê-lo aqui para tu veres.” E o Nelo, debaixo da cama, aumentou o volume e apareciam aqueles quadradinhos a aumentar e esse começou: “olha, olha, olha, olha…” E lá descobriam o Nelo escondido. Os outros jogadores, que já sabiam, ficavam escondidos à porta para ouvir as conversas. Normalmente era alguém que estava no corredor que dava uma risada mais alta e lá acabava aquilo porque o Nelo aguentava-se bem. Às vezes demorava bastante tempo. Mas dava situações engraçadas de colegas a discutir uns com os outros, discussões sérias às vezes porque o comando supostamente ganhava vida. Era uma praxe que fazíamos para integrar os jogadores que chegavam e era muito engraçada. Quando jogava no Benfica, o Caniggia ficou tão irritado com aquilo que atirou o comando!
Tenho outra de quando jogava no Estrela da Amadora e privava muito com um colega que era o Ricardo Lopes, que também é do Porto e já éramos amigos antes e continuamos a ser. Fomos simultaneamente para a Amadora e, fora do futebol, andávamos sempre juntos. Eu na altura tinha um Citroën BX e quem me tinha vendido o carro era uma pessoa que muitas vezes almoçava connosco e com quem tínhamos uma boa relação. Foi quando começaram a aparecer carros com comandos à distância, um equipamento que hoje é tão comum. E aquilo avariou. Levei o carro para a oficina para ele verificar o que era e ficou resolvido. Só que ele ficou com um comando, porque faltava uma pilha ou assim, já não me lembro exactamente, e entregou-o ao Ricardo. No Estrela tínhamos um grupo com muita gente engraçada e o Ricardo era um deles. Então guardou o comando e não me disse nada. Saímos do treino e, ao irmos para o carro, eu abria a porta e ele, com o comando no bolso, fechava. E eu tornava a abrir. E ele fechava. Virei-me para ele: “Que estranho, ainda agora veio da oficina e o comando já está avariado.” E ele nada, muito sério como se nada fosse com ele. Bem, aquilo demorou, eu já estava de tal maneira desorientado que já praguejava, insultava o carro, o comando, o nosso amigo… Para aí à décima vez que ele fechou o carro lá se começou a rir. Mas já estava gente à volta a ver aquilo, porque ele antecipadamente tinha avisado alguns colegas sobre o que ia fazer, e a rirem-se com a partida do comando.
Houve outra muito engraçada no Estrela da Amadora. Era um grupo excelente, sempre com muita animação, e tínhamos dois preparadores físicos que eram os professores Elísio Gouveia e o Aparício. Eles davam-se bem mas nós estávamos sempre a tentar criar ali alguma rivalidade entre eles. Dizíamos que o treino era melhor com um do que com o outro, brincadeiras para os picarmos. Uma vez, num treino a uma sexta-feira, em que fazíamos velocidade de reacção, um deles deu instruções para um determinado exercício. Depois de um apito tínhamos de reagir, contornar um ou dois cones e sair em velocidade. Só que o Bobó estava distraído e foi logo perguntar ao Ricardo o que é que o professor tinha dito.
– Ó Ricardo, o que é que ele disse?
– Depois do apito, dás três cambalhotas, contornas o cone e arrancas.
Ficou tudo à espera para que um deles apitasse para começarmos o exercício. Aquilo era em grupos de três ou quatro. Ele apita, saem todos a correr, o Bobó começa a fazer cambalhotas e o preparador físico a olhar para o Bobó. Quando ele percebe que tinha sido enganado pelo Ricardo e pela malta que estava ali perto desata a correr atrás deles porque quando lhe fazíamos umas partidas ele corria atrás até nos apanhar para dar uma cabeçada. Ele tinha a cabeça dura e dava cabeçadas na rapaziada. Então desata a correr pelo campo fora atrás de dois ou três para dar cabeçadas e era tudo a bater palmas e a rir à espera que ele apanhasse algum para a vingança dele. Ver o Bobó às cambalhotas foi uma situação muito engraçada. Aquele ambiente era excelente e quase diário.
Fizemos outra muito engraçada ao Melo, o guarda-redes, que na altura tinha idade para ser nosso pai mas gostava muito de andar connosco. Tínhamos uns treinos descontraídos, mais lúdicos, que eram uns jogos de futvólei com equipas de três e quatro jogadores, com uns placares no meio a fazer de rede. O Melo participava numa equipa que era eu, o Ricardo, o Caetano e às vezes o Paulo Jorge. Ele não gostava nada de perder, ficava mesmo fora dele e chateava-se com toda a gente. Então fazíamos tudo para tirar o Melo do sério e acentuarmos essa faceta dele. Normalmente, perto do final do jogo, quando estávamos próximos de ganhar, fazíamos para as coisas começarem a correr mal: atirávamos a bola de propósito para fora ou fazíamos de conta que chegávamos mas não chegávamos e o Melo começava a lançar-nos uns olhares… Primeiro começava baixinho: “já começou a palhaçada.” Depois um bocadinho mais alto e acabava sempre com o Melo a insultar a equipa toda, a sair do campo esbaforido em direcção ao balneário e a gritar “isto é só canalha”! Na altura o treinador era o João Alves, que já conhecia bem o grupo e perguntava ao Melo onde é que ele ia.
– Vou-me embora que isto é uma palhaçada, estes gajos só querem é brincar!
Conseguíamos sempre tirar o Melo do sério mas ele nunca desistia de jogar na nossa equipa, o que também era engraçado.


Formado no Boavista, jogou também no Estrela da Amadora, no Sporting, no Belenenses e terminou no Desportivo das Aves, em 1999. Hoje é treinador.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

2 comentários sobre “Pedro Barny

  1. Um desportista de fino recorte técnico e com um sentido posicional acima da média. Um dos bons centrais do nosso futebol e que a este já deu muito mesmo a nível internacional.
    Toda a sorte do mundo e que continuem a vida a sorrir

  2. Amigo delicio me com as tuas histórias porque ao falares do Nelo e do Ricardo levas me a nostalgia dos tempos dos torneios de futebol 5 em que nos participávamos quando éramos miúdos em que o Ricardo jogava pela equipa do francos f.c o nelo pela uma equipa da prelado tu pela parceria Antunes e eu pelo ultramarino

Deixe um comentário