Paulo Catarino

Tantos anos de carreira e tantas histórias para contar. Há uns anos jogava na ilha da Madeira e dividia a casa com mais três colegas, dois portugueses e um brasileiro. A meio da época surgiu a oportunidade de sair para outro clube melhor e cheguei a acordo com a Direcção para sair num sábado e a equipa tinha jogo no continente no domingo. Significava que ia ficar em casa sozinho no sábado e que quando eles voltassem do jogo eu já não estaria lá porque o meu voo era pouco antes de eles chegarem à Madeira. Foi então que me lembrei de deixar uma lembrança aos meus companheiros de casa, para que não se esquecessem dos momentos bons de amizade que ali vivemos durante quatro meses.
Meti mãos à obra e fiz umas alterações na casa: mudei a cozinha para o quarto do brasileiro, fogão, frigorífico, mesas e cadeiras, e passei a mobília do quarto dele para a cozinha. Depois misturei a mobília da sala com as dos outros quartos, misturei as roupas de todos, meti o sofá na casa-de-banho, virei as camas de pernas para o ar, estendi uma corda na sala e pendurei sapatos e objectos pessoais, fiz três bonecos com as roupas deles e deitei-os na cama de cada um e, para completar a obra de arte, fui buscar uma cabra que pastava todos os dias num terreno próximo da vivenda e meti-a na sala pouco antes de sair rumo ao aeroporto.
O voo foi tranquilo e poucas horas depois de ter aterrado em Lisboa já estava a receber SMS deles a chamarem-me todos os nomes possíveis e imaginários! Afinal tinham muita coisa para arrumar e limpar e, segundo eles, foram precisas muitas horas para arrumar tudo e limpar a porcaria que a cabra fez em casa.
Lembro-me de outra quando jogava num clube da II Liga, no Norte do país. Era pré-época e, como era habitual naquele tempo, a praia, a mata e os parques das cidades eram locais privilegiados pelos treinadores para as grandes cargas físicas. Numa dessas manhãs, depois de uma grande tareia, o preparador físico ordena um exercício que basicamente consistia em subir dez vezes uma ribanceira em velocidade… mas de costas.
Todo o plantel cumpriu o exercício com enorme dificuldade porque, ao cansaço já acumulado da pré-época, subir aquilo tudo de costas não era tarefa fácil. Mas cumprimos à risca e finalizámos a manhã completamente de rastos. Entre nós, no balneário, comentávamos os métodos inovadores e duros do nosso preparador físico, já que nunca tínhamos feito um exercício daquele tipo.
Na sessão da tarde houve bola, mas muitos de nós ainda tentavam recuperar da tareia da manhã e as pernas ainda pesavam. No outro dia, antes do treino, o mister manda reunir no balneário e, com toda a equipa técnica ao lado, pede-nos desculpa pelo exercício que tínhamos feito no dia anterior. Estranhámos, mas só depois da explicação percebemos o porquê do pedido de desculpas. Segundo o mister, o preparador físico tinha comprado um livro de exercícios em Espanhol e o que dizia no livro era “subir las encuestas” e entendeu “subir de costas”… Foi a risada total entre todos, incluindo a equipa técnica. Foi sem dúvida um momento de descontracção que serviu para aproximar mais o grande grupo que tínhamos.
Em 1999 estava a jogar no Algarve, no Imortal de Albufeira. Morava com o meu fiel amigo Axl, um boxer com seis meses que levei para me fazer companhia. Na semana anterior a um jogo na Madeira tive de deixá-lo em Setúbal, porque não podia viajar e deixá-lo no Algarve sozinho, e quando voltasse da Madeira teria a folga na segunda e na terça já voltava com ele para o Algarve.
Esse jogo correu muito mal e perdemos por 4-0, o que provocou enorme azia em todos nós e principalmente no nosso treinador, que de imediato nos informou que não teríamos folga e que à chegada a Lisboa sairíamos directos para Albufeira. Aquilo alterava todos os nossos planos, mas teríamos de cumprir as ordens. Informei o treinador que precisava da folga para ir buscar o meu cão, ao que ele me informou que não abria excepções e que teria de ir com a equipa no autocarro. Liguei para casa e pedi à minha namorada que me levasse o cão ao aeroporto. Assim foi. Na chegada a Lisboa lá estava ela com o meu cão e com a casota onde o transportava nas viagens de carro entre Setúbal e Albufeira. Peguei nele, dirigi-me ao autocarro da equipa e disse ao mister que se não o pudesse levar que ficava em terra. Apesar da enorme azia lá acedeu, então viajei com ele ao colo no autocarro e com a casota ao lado, entre a risada geral do plantel. Só referir que nesse ano subimos à II Liga e fui o melhor marcador do campeonato.
Em 2006 jogava no Amarante. Tínhamos um plantel fantástico, sobretudo no companheirismo e na união. Depressa me receberam no grupo e me trataram como se estivesse a jogar lá há muitos anos. Lembro-me de tantas brincadeiras de balneário, coisas que só quem joga futebol e vive por dentro o que é um balneário entende.
Uma vez, já depois de ter avisado os mais novos dos benefícios da depilação total, a que muitos não aderiram, resolvi meter mãos à obra: antes de terminar o treino pedi ao mister para sair mais cedo. Cheguei ao balneário, vesti a bata do massagista, meti uma cadeira no meio do balneário e, à chegada dos companheiros, todos aqueles que tinha identificado como tendo o que apelidei de “pavão” (pêlos púbicos) foram tosquiados e sem reclamar. Pequenas brincadeiras que fortaleceram os laços entre os jogadores.


Terminou a carreira aos 43 anos no Quinta do Conde, na Distrital de Setúbal, o 26.º clube como sénior. Nos anos 90 representou emblemas como Nacional, V. Setúbal ou Olhanense.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

4 comentários sobre “Paulo Catarino

  1. Grande CataGol! Grande goleador e principamente grande amigo Deverá ser o jogador portugues com mais clubes no curriculum

  2. Fomos colegas durante 2 anos no G.D.Fabril, e nasceu uma amizade que irá durar anos!!

    Grande jogador, Grandissimo Goleador e acima de tudo Enorme Pessoa !!

    Um exemplo !!!!

  3. Grande paulo catarino! Lembro-me ver ele a marcar um penalty pelo olhanense em que a bola saí quasee pela linha lateral, mas grande jogador e grande carreira!!!

Deixe um comentário