Cássio

Quando joguei no Arouca foi no primeiro ano do clube na I Liga. Nós jogávamos bem mas não conseguíamos vencer, então estávamos numa série de sete ou oito jogos sem vitórias no campeonato. No início de Dezembro jogámos contra o Marítimo e se calhar foi o nosso melhor jogo em casa, mas acabámos por perder 2-1. Acabou o jogo, o presidente deu-nos os parabéns pela boa

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Júlio Machado Vaz

Meu Pai era portista e sócio. Jogara nos infantis e era detentor de um pé esquerdo temível, mas os centímetros tinham-lhe virado as costas e o treinador decretara-o incapaz de suportar os choques (quem sabe se não perdemos um precursor do Chalana vestido de azul e branco?). Entalado por sogra, mulher e filho vermelhos – com que prazer utilizo palavra então suspeita… – aceitava o seu estatuto

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Pedro Barny

Uma das que me recordo que fazíamos sempre, no Boavista normalmente até era o Nelo que fazia, era esconder-se dentro do quarto de alguém, debaixo da cama ou no armário, com o comando da televisão, com outro que não aquele que estava disponibilizado no quarto, e esperar que os colegas chegassem para depois ir alterando os canais e o volume da televisão. Isso deu situações muito

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Luís Represas

Se “filho de peixe sabe nadar” fosse uma verdade incontestada, na nossa família teriam morrido “afogados” os três filhos postos no mundo pelos meus Pais. Amante de futebol, sócio 10958 do SLB, o meu Pai era daqueles que via o jogo na televisão depois de lhe desligar o som, seguindo atentamente o match pela Emissora Nacional. O relato radiofónico entregava-lhe na comodidade da casa a agitação

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

César Peixoto

Num treino no Braga, tínhamos lá um miúdo que era o Stélvio, jogava a trinco, que estava a fazer um bom treino. Estava a fazer grandes passes, de trivela e tudo. Às tantas, o Jorge Jesus grita no meio do campo:
– Porra, Stélvio! Fazes com cada passe que pareces o Pilro.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Tiago Machado

Desde muito pequenino comecei a dar uns toques na bola, lá na rua. Aos meus sete anos comecei a jogar nas Escolas do Estrela da Amadora na posição de lateral-esquerdo, treinado pelo mister Calado e mais tarde pelo mister Fernandes. Nessa altura chamavam-me o “Estrela”. Além dos treinos, sempre que podia ia jogar com os meus amigos no ringue lá da zona, horas a fio.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Tiago Pereira

No ano em que joguei no Benfica tive como colega o Amaral, o coveiro, que era uma pessoa muito engraçada, uma figurinha mesmo. Houve um dia, no Verão, em que o Amaral levou umas bermudas vestidas. O normal no nosso dia-a-dia era aparecerem inúmeras coisas para os jogadores autografarem para os adeptos. Não me lembro quem foi, mas um jogador pegou nos calções do Amaral e juntou ao

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Nelson Nunes

Nunca fui lá muito convencional no gosto pelo futebol. As memórias aparecem-me à frente como se fossem fragmentos de um álbum de fotografias rasgado em pedaços. Devo ter despertado para a arte de dar pontapés certeiros numa bola aí pelos meus seis ou sete anos, com as partidas a que o meu padrasto assistia com afinco. Via-o sempre torcer pelos clubes mais fracos – menos quando jogava o

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Diogo Valente

No ano em que fui do Boavista para o FC Porto, em 2006/07, encontrei grandes jogadores. Alguns já conhecia da Selecção, como o Raul Meireles, o Bosingwa e o Quaresma, e tive grandes nomes como colegas. Fui muito bem recebido por todos, pelos capitães, na altura o Vítor Baía, o Pedro Emanuel, o Lucho também já era capitão, e, como é natural, durante os treinos e os estágios vamos criando uma

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Rui Dias

Depois de um dia muito cansativo a editar um filme nos estúdios Babelsberg, que ficam situados em Potsdam, nos arredores de Berlim, decido ir jantar uma sopa maravilhosa ao Monsieur Vuong, o melhor restaurante vietnamita em Berlim e para mim o melhor restaurante oriental do mundo, quando o meu telefone toca. Olho para o número e percebo pelo indicativo que não era alemão.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Filipe Gonçalves

Decorria a época 2003/2004 e era o meu primeiro ano de sénior no S.C. Espinho, ainda que no ano anterior já fizesse parte do plantel com idade júnior. O treinador era Francisco Barão (actual treinador adjunto do Sporting B), treinador muito exigente e rigoroso. Na altura não jogava muito assiduamente, embora fosse visto como a grande promessa do clube, e era muito acarinhado por toda a gente no

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Tiago Góes Ferreira

Partimos numa segunda-feira, finais de Maio, com uma auto-caravana repleta de mantimentos, equipamentos, ideias, esperança e entusiasmo, muito entusiasmo. Os três (repórter, produtor e repórter de imagem) partilhávamos a mesma paixão e devoção pelo desporto rei. Em jeito de brincadeira, na viagem, para atenuar os quilómetros infindáveis, discutíamos as melhores tácticas e

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

António Caetano

A primeira história que vou contar remonta aos meus tempos no Belenenses, no final da década de 90. Tínhamos uma equipa com elementos muito divertidos. Estou a lembrar-me do Rui Esteves, Calila, Lito Vidigal, Barny, malta que se relacionava muito bem e que entrava sempre nas brincadeiras.
No início da época fazíamos questão de fazer o baptismo aos jogadores que chegavam ao clube.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Manuel Cardoso

“Então, puto. E essas férias com a mamã? Granda saco, não?”

Para um adolescente pré-adulto, passar férias com a mãe é algo que envolve prós e contras. Por um lado, o adolescente não está a gastar dinheiro e está a conhecer um país estrangeiro, come de forma gratuita iguarias que o tornarão mais cosmopolita, tem tempo para pensar nas suas angústias pós-

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Marcelo

Tenho uma história, que na altura não achei graça nenhuma, um pouco caricata. Em 1992, tinha feito uma época muito boa no Feirense, emprestado pela Académica. O treinador era o Henrique Nunes, tinha lá o Pedro Martins, o Rifa, o Pedro Miguel, que agora também é treinador… Tínhamos uma boa equipa, uma equipa jovem, fizemos uma boa temporada e fui um dos melhores marcadores da II Liga.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Luiz Caracol

Acho que a minha relação com o futebol é uma coisa quase desde o berço ou pelo menos desde que me lembro de existir e, ao que parece, até o meu primeiro brinquedo, e aquele pelo qual fui mais apaixonado, foi uma bola. Passei a minha infância a querer ser jogador de futebol e tudo que mais queria e gostava de fazer era jogar à bola e andar com a bola atrás, fosse verão ou inverno, chovesse

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Gerso

Este ano tivemos um treino do Belém no Estádio Nacional e houve uma situação com o sérvio, o Andric, que teve piada. Tínhamos acabado um exercício e íamos passar para treino das três equipas, que a malta adora. São dois minutos, sete contra sete, se alguma equipa estiver a perder sai e, em caso de empate, a equipa que está há mais tempo é a que sai.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Daniel Leitão

Cresci (e bastante) numa casa onde a única pessoa que ligava a futebol era o meu pai, um fervoroso sportinguista. Sempre tentou demover-me do meu benfiquismo e converter-me a essa religião com gente tão devota que é o sportinguismo. Uma espécie de carmelitas descalças do futebol: fizeram um voto de pobreza e levam-no até às últimas consequências. Não ganham nada mas têm um admirável

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Sérgio Duarte

No Farense, tínhamos ali um grupo de brasileiros e dávamo-nos muito bem com os portugueses, havia um grupo muito bom. Sempre gostei de tocar alguns instrumentos, de cantar e o pessoal gostava muito disso. Houve uma época, na altura do Carnaval, em que tivemos uma folga e, em conjunto com os jogadores portugueses, combinámos um jogo. Marcámos esse jogo para o ginásio do Farense.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Ruben Alves

Para o meu filme A Gaiola Dourada consegui convencer o Pedro Miguel Pauleta a participar. Fiquei super feliz e o meu produtor estava histérico porque era grande fã. No dia de gravações com ele no Douro, toda a equipa francesa estava à espera do fim do dia ansiosa para ir pedir uma foto à “Águia dos Açores” do Paris Saint-Germain.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler