Fernando Ribeiro

As nossas peladinhas em tournée têm diversos acontecimentos um bocadinho estrambólicos. Agora já não, mas antigamente nas tournées havia sempre um dia de folga, que equivalia a fazer o menos possível. Mas alguém arranjava sempre uma bola de futebol, andávamos com uma, ou comprava-se e organizava-se ali um mini-torneio das nações.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Filgueira

Iniciei a época 2003/04 a recuperar de uma lesão, fui operado ao menisco, depois também tinha problemas de cartilagens, ligamentos, aquelas coisas todas. Não correu muito bem, fiquei de fora e comecei a treinar limitado. Tivemos uma mudança de treinador, saiu o Manuel José e entrou o Inácio e eu já quase não treinava. Quando foi o jogo em que acabei por chegar aos 400 jogos,

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Nuno Artur Silva

Fui educado em duas religiões, o catolicismo pelo lado da minha mãe e o benfiquismo pelo lado do meu pai. No catolicismo confesso que, acho que ainda antes de fazer a primeira comunhão, já não acreditava muito e portanto, logo que pude, escapei desse universo. O futebol durou mais. Lembro-me que tive mais emoção a entrar no Estádio da Luz do que a entrar na Basílica da Estrela,

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Fernando Aguiar

Nós temos a mania de andar com aqueles sacos onde levamos o perfume, o shampoo e alguns objectos pessoais, e no balneário costumamos brincar, há sempre aquelas partidas de meter espuma de barbear nos sacos dos colegas.

Um dia, estava no Beira-Mar, acabámos o treino e dei boleia ao Ricardo Sousa. Estavamos sempre com pressa para ir para casa, para não apanhar trânsito, Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

Continue a ler

Carlão

Estádio da Luz, fase de grupos da Liga dos Campeões, com o Barcelona. Era o Barcelona do Eto’o e de muitos mais, muitos cromos. Era aquele jogo que à partida já estava assim meio lixado e só consegui ver para aí três minutos. Estavam uns gajos numa fila abaixo, ou na nossa mais ou lado, já não sei, gajos do Benfica que mal o Eto’o se aproxima da nossa área começam a fazer aqueles sons

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler

Hugo Leal

Na época 2004/05 assino pelo FC Porto. Faço um contrato de quatro anos e, curiosamente, na negociação das verbas, o clube apresenta-me uns valores e eu negoceio por baixo. Ou seja, exactamente o contrário daquilo que seria o normal. O FC Porto estava a oferecer-me um bom salário base, mas queria optar por outro formato de contrato. Então reduzi o salário base e aumentei muito

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail
Continue a ler