Nuno Abreu

Quando estava na equipa B do Benfica, o Mourinho foi-me buscar a mim, ao Geraldo e ao Diogo Luís para um jogo particular contra o Marselha. Foi na Luz, a meio da semana. Nessa altura treinávamos com a equipa principal e praticamente só íamos à equipa B para jogar. Ele gostava muito de nós, a gente dava intensidade aos treinos pela maneira como jogávamos. Ele até nos meteu a alcunha dos irmãos Metralha aos três. Foi uma altura gira. Depois houve as eleições, ele foi-se embora e aquilo mudou tudo. O futebol é mesmo assim.
Nesse jogo com o Marselha entrei ao intervalo, joguei a segunda parte, e houve uma situação, mesmo a acabar o jogo, talvez até já nos descontos, em que tivemos um canto a nosso favor. Eles saem com a bola e eu venho para trás e, para matar a jogada, dei uma porrada no gajo do Marselha que era quase para partir a perna!
Gerou-se ali um aparato do caraças, os gajos do Marselha todos a quererem-me bater, uma grande confusão e o árbitro acabou ali o jogo. O Mourinho até entrou dentro do campo para falar com o árbitro, a pedir-lhe para não me expulsar. Isto porque íamos ter um jogo da equipa B contra o Sporting e aquilo podia dar castigo e eu depois não podia jogar.
São aquelas situações de jogo em que um gajo com a adrenalina e não sei quê nem pensa bem. Mas depois fiquei a pensar: “o Mourinho deve estar com uma azia comigo do caraças. Fiz asneira da grossa. Estou lixado, nunca mais me vai convocar para a equipa principal. Já fiz merda, agora vai ser bonito”.
O Mourinho mandou-me para a equipa B porque íamos ter esse jogo contra o Sporting no fim-de-semana. Quando estou a chegar ao treino, para me equipar para treinar, o nosso treinador, que era o professor José Morais, chamou-me: “Ó Nuno, tens de ir falar com o Mourinho. Ele está ali na rouparia. Veio aqui de propósito para falar contigo”.
E eu: “Eish, foda-se! Já fui de vela”. O Morais sempre com uma cara séria e os meus colegas começaram com aquelas coisas: “Vais falar com ele, estás tão fodido!”.
Quando chego à rouparia, vejo-o a olhar com uma cara séria para mim, mas depois começou-se a rir como o caraças!
– Epá, ó Nuno, ontem estive a ver aquele lance não sei quantas vezes e tu fizeste bem.
– Fiz bem? Foda-se! Então está tudo bem?
– Sim. Vi o lance uma data de vezes: mataste uma jogada de contra-ataque e a gente lá atrás estava a jogar um para um e aquilo podia dar golo.
Bem, senti um alívio do caraças….
– Só tens de ter em atenção uma coisa: as entradas têm de ser um bocadinho mais devagar. Não podem ser daquela maneira porque tinhas ido para a rua.
É uma história gira porque com outro treinador qualquer já não ia treinar mais à equipa principal, mas ele fez as coisas de uma maneira diferente.


Depois da passagem pelo Benfica, representou ainda 12 equipas até terminar a carreira com a camisola do Carcavelos, em 2016/17. Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

Deixe um comentário