Maciel

Quando cheguei ao FC Porto, muitos jogadores tomavam cafeína para ficarem mais alerta no jogo e tal, essas coisas. É normal, todo o mundo toma. Fui tomar uma cafeína, meu irmão, e travou a minha barriga, a bexiga. O jogo era até nas Antas. Aí, com o jogo rolando, fui lá no banco fingindo que estava machucado. E aí o Mourinho:
– Que foi, pá?
– Quero mijar.
– Vai mijar onde? Atrás do banco? Está todo o mundo filmando tudo, cara!
– Eu não estou aguentando, a minha bexiga está doendo.
– Que se foda, volta para o campo! Está maluco, rapaz?
Todo o mundo me zoando depois do jogo, que a gente ganhou 1-0, golo do Benni. O Carlos Alberto:
– O que é que você foi fazer no banco?
– Rapaz, a minha bexiga estava estoirando.
Eu queria mijar, dava só vontade mas não saía nada. Fui lá no banco e o homem ficou bravo comigo mas depois morremos de rir. No outro dia ele veio falar comigo:
– O que é que você queria fazer, cara? Você ia urinar lá no banco com todo o mundo filmando o jogo?
Depois durante a pré-temporada que fizemos nos Estados Unidos, acabou o primeiro tempo de um jogo e eu e o Carlos Alberto estávamos dançando no balneário antes de todo o mundo chegar. Então o Del Neri, que era o treinador, chegou e falou para o Jorge Costa:
– O que é que é isso aí, rapaz? O que é que esses caras estão fazendo? Nós estamos perdendo o jogo e eles estão dançando o funk?
Carlos Alberto morreu de rir, rapaz! Foi outra situação muito engraçada. Dois malucos, né?


Destacou-se na União de Leiria, onde jogou duas épocas e meia antes de rumar ao FC Porto. A ligação ao futebol português completou-se com mais dois anos em Leiria e um em Braga.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

Deixe um comentário