Freddy Locks

Cresci a jogar à bola na minha rua, desde que me lembro de ser gente sempre joguei na rua com os meus amigos. No Bairro de Alvalade, nos anos 80, as ruas estavam sempre cheias de miúdos a jogar à bola. Tinha algum jeito e joguei futsal no Clube Recreativo dos Coruchéus, o clube do bairro.
Cheguei também a ir às captações do Sporting, como todos os meus amigos, mas no segundo treino o treinador disse-me que tinha jeito, mas que era muito gordo e tinha de fazer dieta para poder continuar a treinar. Fiquei muito ofendido, pois na altura eu era mesmo gordo e ninguém me podia chamar gordo! Fiquei tão ofendido que fui jogar no clube de bairro e com o tempo descobri que não tinha o talento e paixão necessários para ser jogador de futebol.
Ainda hoje adoro futebol e sigo de perto o campeonato nacional e, claro, as competições internacionais. É um grande orgulho ver Portugal campeão europeu, um sonho, só possível por esta geração maravilhosa de jogadores que têm como capitão o melhor jogador de sempre, o grande Cristiano, que foi formado no meu grande Sporting.


Prepara-se para lançar em Outubro “Overstand”, o seu quinto álbum de originais, um grito de inconformismo perante os problemas da humanidade e da relação de cada um com o seu interior. Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

Deixe um comentário