Fernando Alvim

Há cerca de 20 anos, ainda vivia no Porto, trabalhava na rádio, estava na faculdade, e para ganhar a vida fui speaker do FC Porto. Sou benfiquista. O que a malta faz pela vida… Basicamente, tinha de animar a claque portista, como se precisasse de animação, tinha de saber aqueles cânticos, tipo “e quem não salta é lampião”, coisas assim. Também sabia que se aquilo falhasse um dia eu morria, portanto tudo tinha de ser feito com alguma animação e profissionalismo. E eu fazia-o. Aquilo para mim era um desafio. E havia uma tradição que era anunciarem um jogador surpresa no dia da apresentação da equipa. E havia um burburinho: “qual é o jogador surpresa?”, “quem é que o Pinto da Costa traz desta vez?” Depois havia uns boatos, os jornais desportivos também ajudavam à festa, e há 20 anos havia a real possibilidade de irem dois jogadores para o FC Porto: Amaral, um jogador por acaso muito bom do Benfica, o zarolho, chamavam-lhe Coveiro, e o outro era o Paulo Sousa, que tinha sido jogador do Benfica e do Sporting e que estava lá fora. Então estes dois nomes estavam na cabeça de toda a gente. Todos ambicionavam que fosse um destes dois.
O Antero Henrique, na altura director de marketing do FC Porto, ligou-me: “Alvim, vais ser tu a apresentar, convém leres aqui uma cena sobre os jogadores. Chegas aqui às seis da tarde, isto começa às nove.” Importante: nesse mesmo ano, o Secretário, lenda do FC Porto, tinha ido para o Real Madrid. É verdade, o Secretário jogou no Real Madrid. É uma coisa que ninguém sabe explicar como é que aconteceu, há várias pessoas que não querem entender que o Secretário jogou no Real Madrid, mas ele jogou, e a apresentação do Real Madrid nesse ano tinha sido bastante entusiasmante porque juntaram uma série de coisas que naquela altura não eram muito vistas, nomeadamente as luzes do estádio apagavam, havia uma luz e os jogadores vinham. Agora toda a gente faz isso mas na altura não faziam. Obviamente que os responsáveis do FC Porto viram aquilo e pensaram fazer melhor ainda.
Como há sempre muito stress e tal, pensei “eu vou mas é às duas da tarde para estar com calma a escrever cada um dos jogadores, pesquisar um bocadinho, tipo ‘Jardel, de onde é que veio, marcou não sei quantos golos’, aqueles pormenores que podemos dar e que podem ser interessantes. O esquema seria: eles iam entrando no relvado e eu dizia “e agora Vítor Baía, guarda-redes do FC Porto, duas vezes campeão, não sei quê…” e as pessoas aplaudiam.
De facto, fiquei toda a tarde a pesquisar sobre os jogadores. Coloquei as folhas todas direitinhas, com o nome deles, de onde é que vinham, um pormenor qualquer para dizer e brilhar, de certa forma, para aquele estádio onde iam estar 50 mil pessoas.
Às nove da noite estava no relvado, no centro do terreno, com as folhas, e acontece uma coisa: apagaram as luzes. Espera aí, como é que eu não me lembrei disto? De repente, tenho 50 mil pessoas à minha volta, tenho os papéis sobre os jogadores mas não tenho luz! Tenho 22 anos e é o fim da minha carreira! Como é que agora vou dizer o nome dos jogadores? Como é que agora me vou safar disto? Que cena incrível! E no meio do pânico geral socorri-me de alguma memória. Nem sequer tenho boa memória mas tinha estado a tarde toda a fazer aquilo, a pesquisar cada um dos jogadores, socorri-me disso. Então via os jogadores entrar no relvado e fui adivinhando. E seja o que Deus quiser, basicamente foi isso. Estava ali sozinho, na altura não havia telemóveis, ou se havia era daqueles grandes, tipo um tijolo, não tinha luz nenhuma, ninguém me podia ajudar, não podia pedir socorro, e começo a apresentar: Jardel, Aloísio, e chega a altura em que vou revelar o jogador surpresa. E digo: “atenção, a grande revelação deste ano… Palmas para Kenedy!” E quando digo Kenedy sinto o estádio gelado, a ouvirem-se umas palmas muito espaçadas, tipo “isto não nos está a acontecer! Nós queremos o Paulo Sousa ou o Amaral!” E senti uma profundíssima desilusão naquele estádio. Eu próprio também não sabia o que é que havia de fazer. “Vamos agora fazer um joguinho amigável com o Kenedy, o nosso adorado Kenedy.” O Kenedy nem era mau jogador mas não era de todo o jogador que se esperava. As pessoas queriam um jogador internacional, uma bomba, sobretudo aqueles dois. Havia notícias nos jornais que diziam que o Paulo Sousa já tinha inscrito os filhos num colégio no Porto. Isto era a garantia: Paulo Sousa está a caminho!
Começa o jogo. Relembro que o estádio estava muito, muito triste, as pessoas estavam muito desiludidas com aquilo. Eu próprio estava muito triste! O jogo estava a decorrer e algumas pessoas começaram a abandonar o estádio. E eis que chega o Reinaldo Teles, que me diz: “Alvim, diz às pessoas para não abandonarem o estádio. Diz que ainda vai ser apresentado um jogador.” E quando digo “a todos os adeptos do FC Porto que estão aqui neste encontro amigável gostaria de comunicar que vamos ainda apresentar uma revelação, a grande surpresa da noite” foi como se tivesse sido golo. As pessoas ficaram loucas! “Claro que o Pinto da Costa não ia fazer uma coisa destas, então ia apresentar o Kenedy? O Kenedy? Claro que é o Paulo Sousa, claro que é o Amaral!” As pessoas estavam a vibrar. Era um sonho tornado realidade. Aquela noite ia ser de grande fantasia, de magia, como Pinto da Costa sempre os havia habituado.
O jogo recomeça, já se sentia um grande alvoroço no estádio. Era o mesmo jogo amigável mas tudo tinha mudado, agora todo o ambiente era festivo. Eu próprio não sabia qual era o jogador surpresa. Passados mais cinco minutos vem outra vez o Reinaldo Teles: “Alvim, podes dizer que é um jogador internacional.” Quando eu digo: “Atenção a todos os presentes aqui no Estádio das Antas, o jogador que vamos apresentar daqui a pouco é um jogador internacional.” As pessoas só pensavam que era o Paulo Sousa ou o Amaral, eram os dois internacionais. Eram os jogadores que queriam, era óbvio que era isso que ia acontecer. As pessoas cada vez mais animadas, uma grande festa, iam sair dali todos abraçados e as coisas começam a correr mal quando o Reinaldo me diz: “Alvim, diz que é um internacional marroquino.” Bom, quando digo “segunda informação, trata-se de um internacional marroquino” houve ali um conflito, uma bipolaridade por parte da assistência. As pessoas já não sabiam se haviam de rir ou chorar. Eu próprio já não sabia o que é que havia de fazer. Foi uma situação muito complicada para mim mas sobretudo para os adeptos do FC Porto. E o Reinaldo Teles a dada altura chega e diz: “Alvim, anuncia o jogador Chippo.” A minha história acaba comigo a dizer: “E a grande revelação é Chippo”. E todo o estádio teve esta reacção: clap… clap… clap.


Começou na rádio com apenas 13 anos, apresenta programas na televisão, nomeadamente no Canal Q, participa em vários podcasts e é um dos senhores da comunicação nacional há 30 anos.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

3 comentários sobre “Fernando Alvim

Deixe um comentário