Fábio Paim

Nas vésperas do Euro’2004 fui chamado pelo Scolari para ir treinar com a Selecção. Tinha 16 anos, estava na formação do Sporting. Recebi a convocatória e não estava a acreditar. Tinha ido para aí uma vez à Selecção, mas ao escalão da minha idade. Com 16 anos, ir treinar com o plantel que ia estar no Europeu… Pensei que estavam a gozar comigo, mas fui. Já tinha sido feita a pré-convocatória para o Euro, faltavam dois ou três jogador e chamaram-me.
Cheguei lá e vi aqueles gajos todos: Luís Figo, o Cristiano, o Deco, são pessoas que só via na televisão. Ficas assim: “fogo, a sério?” Equipei-me, saímos do Hotel Amazónia e quando entrei no autocarro para irmos para o Jamor perguntei onde é que me podia sentar. E disseram-me:
– Senta-te aqui, este lugar está vazio.
Sentei-me e adivinha de quem era o lugar: do Luís Figo! Tchiii… Quando o homem entra não tem lugar e começaram todos a gritar:
– Já ninguém te respeita! Olha o miúdo no teu lugar!
E eu assim:
– Ó senhor Luís Figo, peço imensa desculpa, mas eu não sabia.
E eles:
– Ninguém te disse para te sentares aí, a gente avisou-te! Tu é que chegas aqui e pensas que isto é tudo teu.
Comecei a chorar, fiquei ali destroçado, já nem consegui treinar nem nada. Fiquei a tremer, a suar, a suar… Foi uma praxe terrível. Só pensava: “Como é que eu vou fazer isto agora? Como é que vou sair daqui?” Estive lá dois ou três dias, mas o primeiro treino já não o consegui fazer, fiquei a tremer por todo o lado.


Jovem prodígio do Sporting, nunca confirmou o que tanto prometia na juventude. Fez apenas sete jogos na I Liga pelo Paços de Ferreira e tem feito a carreira como globetrotter.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

4 comentários sobre “Fábio Paim

  1. Quem leu a entrevista que este jogador deu a um jornal recentemente, facilmente percebe porque como jogador não foi, nem irá, longe. Não tem cabeça nenhuma. Pena, porque apesar de tudo não parece ser mal formado e até parece um puto com alguns valores. Simplesmente é deslumbrado pela vida.

  2. Subscrevo o que disse o Carlos. Até revelou, aliás, carácter do Paím, já muito novo. Reconhece hierarquias. Pena ter-se perdido…

  3. Não se trata de medos de ídolos, Joao. Se alguma vez tivesses feito algum desporto de equipa ias perceber que ele está a dizer. O respeito pelos mais velhos era uma coisa bastante diferente. Cada um tem o sei sitio no autocarro, no balneário e às vezes à mesa. Concordo que seja fraco de cabeça, mas não é por isto.

Deixe um comentário