Eliseu

Tenho algumas histórias curiosas passadas no futebol português. Uma aconteceu no Felgueiras, com o Diamantino como treinador. Quando ele chegou ao Felgueiras eu era o único jogador da equipa que tinha ficado, por isso ele montou o plantel todo e correu boa parte da época com jogadores como Fernando Meira, Lixa, jogadores do Guimarães. Na segunda temporada, muitos jogadores saíram e a equipa caiu de rendimento. E nessa fase, um dia o Diamantino chamou-me à sala dele e diz-me que as pessoas “comentavam que eu estava vendendo os jogos”. Surpreso com o comentário desse senhor, indaguei o porquê da desconfiança. Ele disse que era o que estavam falando. Muito irritado com aquela situação, fui para o treino e acabei por me desentender com o Fredy, o lateral esquerdo da equipa. Subi para o balneário, esperei o Fredy subir e dei uma pegada nele. Liguei para o presidente, contei o que tinha acontecido e pedi para sair do clube. Moral da história: queria-me fora da equipa e do clube.
Interessante que após o primeiro ano na China, eu era jogador mas era como se fosse o dono da equipa, o presidente adorava-me! Como fui encarregado de contratar o treinador e os jogadores, o Diamantino veio pedir-me emprego, para que o levasse para a China. Assim se faz, assim se paga…. Coisas de central!
Tenho outra história no Felgueiras, com o Jorge Jesus…. Gritava como um louco! Uma bola ressaltou a uns 35 metros da baliza do adversário. Ele gritava para eu não rematar à baliza. Mesmo assim rematei e fiz um grande golo! Foi num jogo contra o Moreirense.
Tenho outra, para terminar: quando fui comprado pelo Beira-Mar, o mister Vítor Urbano não me colocava a jogar. Eu chegava em casa e comentava com a minha família. Certo dia, levei o meu filho Lucas para o estádio e apareceu o mister. E o que é que aconteceu? O meu filho logo despachou duas botinadas nas canelas do mister!


Chegou em 1991, proveniente do Internacional, para representar o Gil Vicente. Acabaria por ficar 11 anos, nos quais representou ainda Beira-Mar, E. Amadora, Felgueiras e V. Setúbal. Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

Deixe um comentário