Diogo Valente

No ano em que fui do Boavista para o FC Porto, em 2006/07, encontrei grandes jogadores. Alguns já conhecia da Selecção, como o Raul Meireles, o Bosingwa e o Quaresma, e tive grandes nomes como colegas. Fui muito bem recebido por todos, pelos capitães, na altura o Vítor Baía, o Pedro Emanuel, o Lucho também já era capitão, e, como é natural, durante os treinos e os estágios vamos criando uma relação mais forte com um ou com outro. E fui criando uma relação muito boa com o Lucho, ele recebeu-me muito bem.
Depois de duas ou três semanas no Olival, em Julho fomos para o estágio de pré-época, na Holanda. Fomos sempre falando, nas refeições, nos treinos, e numa das conversas que tivemos fiz questão de lhe dizer que gostava muito da selecção argentina, era um admirador dos jogadores argentinos, na altura o FC Porto também tinha o Lisandro López, e gostava muito de ter uma camisola da selecção argentina. A conversa ficou por ali, nunca mais tocámos no assunto.
Faço anos a 23 de Setembro. Normalmente, os capitães têm a lista dos aniversários para nesse dia se mandar vir bolo, bebidas, rissóis, pastéis de bacalhau, esse tipo de coisas, para se cantar os parabéns no final do treino, no balneário. Chego de manhã, tomo o pequeno-almoço, vou para o balneário para me equipar e preparar para o treino e fui ao meu cacifo. No FC Porto, recebemos a correspondência dos fãs nos cacifos e reparei que tinha lá um saco de plástico. Achei estranho e, para minha admiração, quando abro o saco vejo que era uma camisola da selecção argentina, do Lucho González. Como é óbvio, foi… Fiquei mesmo admirado. Tínhamos tido aquela conversa em Julho, ele nunca mais se esqueceu e quando chegou o meu dia de anos tinha lá aquela recordação. Fiquei mesmo muito feliz.
Por aqui se vê o grande profissional e a grande humildade do Lucho, foi um episódio que me marcou muito. Obviamente que depois fui ter com ele, agradeci-lhe, dei-lhe um beijo de agradecimento, que é como os argentinos se cumprimentam, e quis partilhar esta história bonita para mostrar que muitas vezes os grandes craques são os mais humildes e os mais simples, ao contrário daquilo que as pessoas possam pensar.


Depois de se estrear na I Liga pelo Boavista, passou por FC Porto, Marítimo, Leixões, Sp. Braga, Académica e Gil Vicente, além de ter estado na Roménia e na Turquia. Joga no Freamunde, da II Liga.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

2 comentários sobre “Diogo Valente

  1. Teres jogado no Porto foi bom. E ainda correste a liga em clubes históricos, sem teres perdido a oportunidade de teres tido a experiência de jogar no estrangeiro. Tiveste um percurso bastante agradável.

Deixe um comentário