Alfredo

Esta história passou-se em Itália, em Florença. Na minha altura de jogador, há 30 anos, nós não tínhamos treinador de guarda-redes. Tínhamos treinador principal, treinador adjunto e preparador físico, não havia mais nada. Então nesse jogo com a Fiorentina, estou no balneário, estou equipado, pronto para ir fazer o aquecimento para o jogo, e de repente aparece o senhor major Valentim Loureiro. Entra no balneário, virou-se para mim:
– Opá, vais jogar?
– Sim, vou padrinho. Ele era meu padrinho de casamento.
– E quem é te vai aquecer?
– Sei lá! Às tantas deve ser o treinador adjunto, não sei.
– Então encosta-te aí a essa parede e dá cá uma bola.
E começou a aquecer-me dentro do balneário. Os jogadores estavam a equipar-se e, como o senhor major não tinha grande pontaria, a bola andava ali de um lado para o outro e era o pessoal todo a desviar-se, a baixar a cabeça e a ter com cuidado com os pontapés do senhor major Valentim Loureiro.
Acabámos por eliminar a Fiorentina da Taça UEFA e o meu treinador de guarda-redes foi realmente importante porque fez-me um aquecimento com o qual estive no jogo com muita qualidade! Foi dos meus primeiros jogos europeus e um dos muitos que fizemos contra equipas italianas, com as quais nos costumávamos dar bem. Diziam que tínhamos camisolas esquisitas mas depois já todos conheciam o Boavista na Europa.


Destacou-se na baliza do Rio Ave mas foi ao serviço do Boavista, que representou durante 14 épocas, que se tornou um nome mítico do futebol nacional. E foi internacional por três vezes.

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail

5 comentários sobre “Alfredo

  1. Rioavista, e vilacondense puro!.. Além de ser, finalista da taça de Portugal, ao serviço do clube, foi realmente no boavistão que mais se destacou… Um abraço para ele.

  2. Obrigado Alfredo pela grande categoria que tinhas. Um dos Tres melhores guarda-redes da decada de 80 e 90. O grande Bento, mestre Bento e e o promissor Alfredo.

Deixe um comentário